Abaco CBA e Faculdade São Judas Tadeu
    Home Área do Aluno    

        abacocba aluno
Receba nossa newsletter

        Abaco CBA newsletter
         Fale Conosco
             Ouvidoria
Facebook Colégio Brasileiro de Acupuntura e Medicina Chinesa
 
  Unidades Calendário dos Cursos Especialização • Formação Especialista Formação Profissional • Habilitação Técnica Extensão  
   
 
  ABACO • Sohaku-in  
  Notícias & Vídeos
  Eventos
  Convênios
  Artigos
  Revista
  Links

 
  Centro de Treinamento  
  Estudos Avançados



Eventos


Encontro Científico Internaciona China-Brasil de Acupuntura e Medicina Chinesa.
Aponta para o futuro da Acupuntura no Brasil.

Contando com a presença de autoridades governamentais da Republica Popular da China, Representantes de entidades de Acupuntura do Brasil e da Direção da Associação Chinesa do Brasil, além de médicos-chefes de hospitais da Academia Chinesa de Ciências Médicas, de Beijing, China, foi promovido nos dias 14 e 15 de dezembro de 2013 no Auditório da sede do Colégio Brasileiro de Acupuntura e Medicina Chinesa – ABACO/CBA, em São Paulo , o I Encontro Científico Internacional China-Brasil de Acupuntura e Medicina Chinesa.

O evento contou com o apoio do Governo chinês, através da Cônsul-Geral da Republica Popular da China em São Paulo, Sra. Hu Ying, dos representantes do Departamento Pessoal de Assuntos Exteriores da R.P. da China, Srs. Zhang Donghao e Chen Xufeng, dos seis médicos-chefes de hospitais de Medicina Chinesa da Academia Chinesa de Ciências médicas, da Presidente da Associação Chinesa do Brasil, Sra. Heida Li, e de representantes de entidades brasileiras de Acupuntura.

Após a solenidade de abertura do evento com a participação das autoridades dos dois países, ocorreram três palestras sobre Acupuntura em Traumato-ortopedia com o Dr. Lin Xinxiao, que apresentou a nova Acupuntura com agulhas knife-needles aplicadas nos foramens neurais no tratamento da dor aguda. Em seguida, a médica tradicional Ginecologista, Dra. Li Ronghui, palestrou sobre dos distúrbios da menopausa e os tratamentos preventivos empregando na medicina chinesa. Dando continuidade, o Dr. Lin Xinxiao discorreu sobre os benefícios da Moxabustão associada à Ventosa, apresentado um aparelho desenvolvido recentemente na China que associa a ventosaterapia à moxabustão, despertando grande interesse dos brasileiros presentes.

No período da tarde do dia 14 de Dezembro ocorreu a importante Mesa Redonda com a presença de todos os representantes do Governo chinês, os cientistas chineses e os representantes de Conselhos, Associações, Instituições de ensino e sindicatos da área. Ao final da reunião a foi elaborada uma Carta de Recomendação aos Governos da China e do Brasil no que se refere ao ensino, pesquisa e regulamentação da Acupuntura no Brasil e no mundo.

No dia 15 de Dezembro, no Ambulatório-Escola da ABACO/CBA, foi promovido o treinamento pratico em Acupuntura e Medicina Chinesa para os acupunturistas brasileiros chefiados pelos professores chineses. Foram atendidos na manhã e na tarde desse dia mais de 600 pacientes oriundos da colônia chinesa. Os 16 boxes foram divididos em especialidades: Cardiologia, Ginecologia, Traumato-ortopedia, Dermatologia, Acupuntura Clínica Geral e Pediatria. Os pacientes chineses foram atendidos pelos médicos chineses com o acompanhamento dos acupunturistas brasileiros em perfeita integração. Os médicos chineses se comprometeram a colaborar, na qualidade de professores convidados, no ensino da Acupuntura na ABACO/CBA no ano de 2013. Após o evento, houve uma comemoração pelo resultado obtido nas discussões pelos participantes chineses e brasileiros.

A Carta de Recomendação, oriunda dos debates sobre a Acupuntura e a Medicina Chinesa no Brasil, será enviada, oficialmente, pelo presidente da Mesa Redonda, Dr. Sohaku Bastos, para as autoridades brasileiras, para a imprensa e para as entidades brasileiras de Acupuntura, cabendo ao Consulado-Geral da China e aos representantes do Governo chinês a incumbência de divulgar o documento na China.

Dessa forma, nós, da ABACO/CBA, pensamos ter colaborado com o desenvolvimento da Acupuntura e sua regulamentação no país neste ano de 2012.
DURANTE O I ENCONTRO CIENTÍFICO INTERNACIONAL CHINA-BRASIL DE ACUPUNTURA E MEDICINA CHINESA COM A PARTICIPAÇÃO DE MEMBROS DO GOVERNO CHINÊS, MÉDICOS CHINESES TRADICIONAIS E REPRESENTANTES BRASILEIROS DE ACUPUNTURA FOI CRIADA A CARTA-ATA DE APOIO E RECOMENDAÇÃO À PRÁTICA, AO ENSINO, À PESQUISA E À REGULAMENTAÇÃO DA ACUPUNTURA NO BRASIL PARA SER ENVIADA AOS PARLAMENTARES BRASILEIROS, À IMPRENSA E AO MINISTÉRIO DA SAÚDE DO PAÍS.

NÃO OBSTANTE A COMPLEXIDADE DO ASSUNTO E DO POUCO TEMPO QUE OS MEMBROS DA REFERIDA MESA REDONDA TIVERAM PARA O APROFUNDAMENTO NOS DIVERSOS TEMAS DO ENCONTRO, OS MESMOS SINTETIZARAM SUAS OPINIÕES, TANTO OS MÉDICOS CHINESES QUANTO OS PROFISSIONAIS BRASILEIROS, CONVERGINDO PARA UM SÓ FOCO: A NECESSIDADE URGENTE DE REGULAMENTAR O ATO ACUPUNTURAL NO BRASIL, CONSOANTE AS NORMAS INTERNACIONAIS, AS DIRETRIZES DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE, E DE ACORDO COM OS BONS EXEMPLOS DO ENSINO, DA PRÁTICA E DA PESQUISA DA ACUPUNTURA NA CHINA.

LEIAM, ABAIXO, O TEOR DA CARTA-ATA.
-------------------------------------------------------------------------------------

CARTA-ATA DE APOIO E RECOMENDAÇÃO PARA A PRÁTICA, PARA O ENSINO E PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ACUPUNTURA E DA MEDICINA CHINESA NO BRASIL, DE ACORDO COM O SISTEMA MÉDICO CHINÊS.

No dia quatorze de dezembro de 2012, reuniram-se para o I ENCONTRO CIENTÍFICO INTERNACIONAL CHINA-BRASIL DE ACUPUNTURA E MEDICINA CHINESA, na sede do Colégio Brasileiro de Acupuntura e Medicina Chinesa (ABACO/CBA), na Praça da Liberdade 256, Liberdade, em São Paulo, dois membros do Governo da República Popular da China (RPC) e seis médicos-chefes de hospitais da Academia Chinesa de Ciências Médicas Chinesas, vindos da Republica Popular da China: Prof. Zhang Donghao, Prof. Chen Xufeng, Prof. Dr. Wang Chenglong, Profa. Dra. Li Ronghui, Prof. Dr. Hua Hua, Profa. Dra. Guo Yonghong, Prof. Dr. Lin Xinxiao, Profa. Dra. Yang Jinhong. Além do grupo chinês, estiverem presentes na Mesa Redonda a Sra. Heida Li – Presidente da Associação Chinesa do Brasil, Dra. Hui Qing – presidente da AMCT e Vice-Presidente no Brasil da World Federation of Acupuncture-Moxibustion Societies (WFAS), Prof. Dr. Sohaku Bastos - Fundador da Academia Brasileira de Arte e Ciência Oriental (ABACO/CBA), Diretor no Brasil da WFAS e Presidente para o ano 2013 da Federação Brasileira das Sociedades de Acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa (FEBRASA), Prof. Dr. Wu Tou Kwang – Presidente- ano 2012 da FEBRASA e Diretor Presidente do CEATA, Profa. Regina Vidal – Diretora Acadêmica da unidade de São Paulo da ABACO/CBA, Dra. Eneida Mara Gonçalves – Presidente da Associação Biomédica de Acupuntura (ABIOMAC) e Coordenadora da Comissão Regional de Biomedicina (1ª região), Sr. Daniel da Silva Lins – Presidente do Sindicato dos Terapeutas Orientais do Paraná (SATOPAR), Sr. Walter Galvão – representante da Sociedade Acadêmica Brasileira de Acupuntura e Ciências Médicas Tradicionais (SABA-CMT). Participaram do evento, como ouvintes, profissionais de Acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa no Brasil, professores, alunos e pessoas da comunidade. No grupo de médicos chineses de formação tradicional havia especialistas das seguintes áreas: Cardiologia, Ginecologia, Ortopedia e Traumatologia, Reumatologia, Acupuntura de Clínica Geral e Pediatria.

Dr. Sohaku Bastos, Presidente da Mesa Redonda, declarou a abertura dos trabalhos após a apresentação formal dos participantes, incluindo os professores chineses, representantes do Governo da China e os representantes das instituições brasileiras presentes. Em sua fala inicial, Dr. Sohaku Bastos enalteceu a importância do evento, que teve início na manhã deste dia, com a apresentação de dois professores chineses que discorreram sobre Distúrbios Musculoesqueléticos e a Nova Acupuntura com o uso da agulha de faca, o uso da ventosa eletrotérmica, e Acupuntura em Ginecologia. 

Na referida Mesa Redonda foi discutido o papel do Governo Chinês e da Organização Mundial da Saúde (OMS) em relação à Acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Os membros brasileiros da Mesa Redonda mencionaram a situação atual da política relacionada à prática da acupuntura no Brasil. Sr. Daniel da Silva Lins destacou a importância da vinda de palestrantes e professores oriundos da RPC para ministrarem palestras e, dessa forma, enriquecer o conhecimento dos brasileiros na área da acupuntura e MTC. Dr. Sohaku Bastos, em sua fala, mencionou seu desejo de que a Acupuntura e a Medicina Tradicional Chinesa, no Brasil, siga o modelo existente na RPC. 

Prof. Dr. Wang Cheng-Long, em sua fala, explicou que a verdadeira medicina não deveria possuir fronteiras. A origem da Medicina Moderna é ocidental, enquanto que a Medicina Chinesa tem origem na RPC. A MTC existe há milênios de história, e por isso, foi aceita pelo Governo como uma prática independente e de características próprias. A acupuntura deveria ser legalizada em todo o mundo. O início da legalização da MTC passa pela produção acadêmica, pela realização de pesquisas e publicação de artigos científicos, onde fique comprovada a sua eficácia.

A Profa. Dra. Guo Yong Hong disse que a acupuntura, pela sua experiência, deve ser utilizada cada vez mais e em mais lugares no mundo. Primeiro, a Acupuntura deve ser muito praticada e ao surtirem seus resultados, ficaria evidenciada a sua utilidade. A educação seria a base para a divulgação da Acupuntura nas escolas e universidades. Na RPC quatrocentos mil acupunturistas tradicionais possuem licença para a prática da Acupuntura. A médica sugeriu que observássemos a prática da acupuntura nos EUA e na Alemanha e destacou a importância do intercâmbio com médicos e professores chineses. Foi observado que na China, em seu hospital, mais alunos brasileiros aparecem a cada ano para se aperfeiçoarem em Acupuntura. 

A Profa. Dra. Yang Jinhong pensa como prof. Wang sobre a educação e pesquisa em Acupuntura. Segundo a Profa Dra. Jinhong, seria importante estabelecer uma Faculdade de Medicina Chinesa no Brasil, e os alunos brasileiros, quando concluíssem o curso, poderiam praticar nos hospitais chineses. Os alunos poderiam trabalhar em seu hospital por dois anos como estagiários ao término do curso.

Não somente a Profa. Dra. Yang Jinhong tem recebido alunos brasileiros na RPC, mas todos os professores chineses presentes na mesa. Destacaram que os alunos brasileiros tem tido um bom desempenho na RPC.

Dr. Wu Tou Kwang afirma que a acupuntura já é reconhecida tanto pelo governo brasileiro como pelo seu povo. Os três últimos presidentes da República do Brasil foram tratados com acupuntura, assim como o atual Governador de São Paulo.

A Sra. Heida Li, da Associação Chinesa do Brasil, destaca que é fundamental uma força política de apoio à regulamentação da prática da Acupuntura no Brasil. É muito importante o apoio do Governo Chinês para o reconhecimento da prática da Acupuntura e MTC, no Brasil.

Dr. Sohaku Bastos observou que realmente é muito importante à criação de um curso universitário em MTC no Brasil, mas que para isso é fundamental que haja a regulamentação da prática da MTC no país. Seria muito importante não somente a presença de professores brasileiros, mas, também, a vinda de professores chineses para ministrarem aulas no curso universitário de Medicina Tradicional Chinesa. Dr. Sohaku Bastos pediu, aos professores chineses presentes na Mesa Redonda e ao Governo Chinês, apoio científico, e apoio político na regulamentação da MTC, no Brasil. Hoje é o primeiro encontro China-Brasil, mas faz-se necessária a promoção de outros encontros no futuro.

Profa. Dra. Yang Jinhong esclarece que no curso universitário de MTC, na República Popular da China, 30% de sua carga horária é dedicada à Medicina Moderna (parte de Anatomia, sobretudo), sendo os outros 70% de sua carga horária dedicada à MTC e à Acupuntura. Ao término do curso, os estudantes devem realizar um ano de estágio. A boa prática da Acupuntura é fundamental na formação do profissional. 

Segundo Prof. Dr. Wang Cheng- Long, o curso na RPC tem duas características: primeiro a integração entre a Medicina Ocidental e a Medicina Tradicional Chinesa, em sua parte teórica, mas, posteriormente, ambas as medicinas ficam independentes em sua prática. 

O Prof. Dr. Wang sugeriu que se abra um curso em Acupuntura dando maior destaque e carga horária para a parte de Medicina Tradicional Chinesa. Segundo Prof. Wang, o curso na China tem três partes teóricas: primeiro as bases biomédicas, segundo a Medicina Chinesa e, em terceiro, a combinação das bases cientificas com a prática tradicional da Acupuntura.

Ao final, encerrando as discussões, Dr. Sohaku Bastos, deu por finalizados os trabalhos, enfatizando a necessidade do Governo Chinês se manifestar, de forma atualizada e esclarecedora, sobre a realidade da Acupuntura e Medicina Chinesa na RPC e sobre a verdadeira situação legal da prática da Acupuntura e Medicina Chinesa no país, já que a última manifestação da Embaixada ocorreu no ano de 1999. A Cônsul-Geral Adjunta da República Popular da China no Estado em São Paulo, Sra. Hu Ying, prontificou-se a solicitar da Embaixada da República Popular da China no Brasil um esclarecimento sobre o assunto. Dessa forma, fica estabelecido que a Acupuntura e a Medicina Chinesa não se confundem com a prática da medicina convencional do Ocidente, e que o ensino, a pesquisa e a prática da Acupuntura e da Medicina Chinesa são independentes da Medicina Ocidental.

Mesa Redonda encerrada. A presente Ata-Carta de Recomendação foi assinada por todos os componentes oficiais deste evento e redigida nos idiomas chinês e português.

São Paulo, 14 de dezembro de 2012.

Componentes da Mesa Redonda:

Dr. Sohaku Bastos, Dra. Hui Qing, Dr. Wu Tou Kwang, Dra. Eneida Mara Gonçalves, Sra. Heida Li, Profa. Regina Vidal, Prof. Daniel da Silva Lins, Prof. Walter Galvão, Prof. Zhang, Donghao, Prof. Chen Xufeng, Prof. Dr. Wang Chenglong, Profa. Dra. Li Ronghui, Prof. Dr. Hua Hua, Profa. Dra. Guo Yonghong, Prof. Dr. Lin Xinxiao, Profa. Dra. Yang Jinhong.


nippak

Voltar para eventos

 
ABACO - CBA | Colégio Brasileiro de Acupuntura e Medicina Chinesa • abaco@abacocba.org.br • Tel: (21) 2547-1795